Fale Saúde » Vacinas » Vacina Covid: efeitos colaterais e ação no organismo

Vacina Covid: efeitos colaterais e ação no organismo

O corpo tem muitas formas de se defender contra organismos causadores de doenças. A pele, o muco e os cílios (cabelos microscópicos que afastam detritos dos pulmões) funcionam como barreiras físicas para evitar que patógenos entrem no corpo e causem doenças. Mas quando essas barreiras falham, ainda assim o corpo é capaz de produzir anticorpos (proteínas que funcionam como soldados contra invasores) que atacam e destroem os patógenos agressores.

No entanto, quando o corpo humano é exposto a um invasor (antígeno) pela primeira vez (como no caso do Covid-19), leva tempo para que o sistema de defesa possa responder e produzir os anticorpos específicos para destruí-lo. Enquanto isso, a pessoa pode adoecer.

Então, é aqui que entra as vacinas! Elas contêm partes enfraquecidas ou inativas de um determinado organismo que estimulam o corpo a produzir os anticorpos de defesa sem ficar doente. Com isso, na segunda vez que o corpo entra em contato com o agente invasor, ele será capaz de acionar prontamente o sistema de defesa para eliminar o invasor sem ser acometido pela doença.

Vacina Covid efeitos colaterais e ação no organismo

Vacina Butantan / CoronaVac

A vacina Butantan / CoronaVac é indicada para imunização ativa para prevenção de casos de COVID-19, doença causada pelo vírus SARS-CoV-2, em indivíduos com 18 anos ou mais.

O esquema vacinal completo é feito com duas doses, no intervalo de 28 dias, pois esse esquema mostrou uma melhor resposta imunológica da vacina.  

- PUBLICIDADE -

Qual a ação da vacina no organismo?

A vacina Butantan / CoronaVac contém o antígeno do vírus inativado SARS-CoV-2, e ela funciona estimulando o corpo a produzir imunidade contra o vírus da Covid-19 para a prevenção de doenças causadas por ele.

O corpo demora algum tempo para produzir anticorpos neutralizantes após a vacinação e durante este tempo devem ser tomadas medidas de proteção adequadas.

Quem não deve tomar a vacina Butantan / CoronaVac?

Em caso de qualquer uma das seguintes condições, o uso da vacina é contraindicado:

  • Pessoas com menos de 18 anos.
  • Mulheres grávidas (avaliar risco-benefício com seu médico).
  • Alergia a qualquer um dos componentes da vacina.
  • Febre.
  • Doença aguda (alguma doença nova e ativa no momento da vacinação).
  • Doença crônica descontrolada: diabetes, hipertensão etc.

Quais são os ingredientes da vacina Butantan / CoronaVac?

Hidróxido de alumínio, hidrogenofosfato dissódico, di-hidrogenofosfato de sódio, cloreto de sódio, água para injetáveis e hidróxido de sódio. Não contém conservantes.

Efeitos colaterais

Reação muito comum

Acontece em mais de 10% das pessoas que recebem a vacina.

- PUBLICIDADE -
  • Dor no local da aplicação

Reação comum

Acontece em 1 a 10% das pessoas que recebem a vacina.

  • Fadiga
  • Febre
  • Mialgia (Dor nos músculos)
  • Diarreia
  • Náusea
  • Dor de cabeça

Reação incomum

Acontece entre 0,1 a 1% das pessoas que tomam a vacina.

  • Vômitos.
  • Dor abdominal inferior.
  • Distensão abdominal.
  • Tonturas.
  • Tosse.
  • Perda de apetite.
  • Pressão arterial elevada.
  • Reação alérgica.
  • Coloração anormal no local da administração.
  • Inchaço no local da aplicação.
  • Coceira local.
  • Vermelhidão no local.
  • Pele endurecida no local.

Vacina Oxford / AstraZeneca

A vacina de Oxford / AstraZeneca até o momento foi aprovada para uso restrito em situações de emergência em pessoas com 18 anos ou mais. O esquema de vacinação consiste em duas doses separadas de 0,5 ml cada. A segunda dose deve ser administrada entre 4 a 6 semanas após a primeira dose.

Qual a ação da vacina no organismo?

A vacina Oxford / AstraZeneca é do tipo recombinante, ou seja, usa material genético para estimular o corpo a produzir resposta imunológica e não o vírus inativado. Ela é baseada em um vetor viral enfraquecido de um vírus do resfriado comum (adenovírus) que causa infecções em chimpanzés e contém o material genético do vírus SARS-CoV-2 (vírus que causa a doença Covid-19). Após a vacinação, o organismo passa a produzir anticorpos de defesa e prepara o sistema imunológico para atacar o vírus SARS-CoV-2 se ele infectar o corpo mais tarde.

Quem não deve tomar a vacina Oxford / AstraZeneca?

Você não deve tomar a vacina Oxford / AstraZeneca se:

- PUBLICIDADE -
  • Pessoas com menos de 18 anos.
  • Mulheres grávidas (avaliar risco-benefício com seu médico).
  • Teve uma reação alérgica grave após uma dose anterior desta vacina.
  • Teve uma reação alérgica grave a qualquer ingrediente desta vacina.

Quais são os ingredientes da vacina de Oxford / AstraZeneca?

A vacina contém os seguintes componentes:

L-histidina, cloridrato de L-histidina monoidratado, cloreto de magnésio hexahidratado, polissorbato 80, etanol, sacarose, cloreto de sódio, edetato dissódico diidratado (EDTA) e água para injeção.

Efeitos colaterais

Reação muito comum

Acontece em mais de 10% das pessoas que recebem a vacina.

  • Dor, calor, vermelhidão, coceira, inchaço, sensibilidade aumentada ou hematomas onde a injeção é aplicada.
  • Mal estar geral.
  • Sensação de cansaço (fadiga).
  • Arrepios ou sensação de febre.
  • Dor de cabeça.
  • Enjoo (náuseas).
  • Dores nas articulações ou dores musculares.

Reação comum

Pode afetar entre 1 a 10% das pessoas que recebem a vacina.

  • Pode formar um caroço no local da injeção.
  • Febre.
  • Pode apresentar vômitos.
  • Sintomas semelhantes aos da gripe, como temperatura alta, dor de garganta, coriza, tosse e calafrios

Reação incomum

  • Acontece entre 0,1 a 1% das pessoas que tomam a vacina.
  • Sentir-se zonzo.
  • Diminuição do apetite.
  • Dor abdominal.
  • Linfonodos aumentados (íngua na axila, no pescoço ou na virilha).
  • Sudorese excessiva, coceira na pele ou erupção na pele.

Fontes consultadas:
[1] World Health Organization
[2] Instituto Butantan
[3] Serum Institute of India

- PUBLICIDADE -
Médico - CRM/SP 157.767 | + artigos

Médico formado pela Santa Casa de São Paulo desde 2012, possui mais de 7 anos de experiência. Especialista em anestesiologia pela Santa Casa de S.J. Rio Preto, com Título de Especialista em Anestesiologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) - RQE 65.029.


APRENDA MAIS