Fale Saúde » Ossos, articulações e músculos » Tenossinovite de De Quervain: será que você sofre desse problema?

Tenossinovite de De Quervain: será que você sofre desse problema?


Só de ler “tenossinovite de De Quervain” você já sentiu arrepios? Bom, na verdade, não é para tanto, porque se o nome é complicado e diferente, os sintomas que ele gera nas pessoas que sofrem com esse problema são bastante comuns.

Para acabar com o suspense e esclarecer de uma vez por todas o que é esse distúrbio, podemos usar apenas três palavras: tendinite no punho. É isso mesmo! A tal da tenossinovite de De Quervain nada mais é do que a inflamação dos tendões do pulso.

No entanto, é importante deixar claro que não estamos falando de qualquer tendinite, afinal, o que caracteriza a tenossinovite de De Quervain é justamente a região do pulso e da mão em que ela acontece. Para ficar mais claro, é importante entender a estrutura do braço. Confira a seguir!

tenossinovite de De Quervain

Estrutura do punho

Os tendões conectam os músculos aos ossos e são muito importantes para a realização dos movimentos. No caso das mãos e dos punhos, por exemplo, existem tendões que se originam no cotovelo e se estendem por toda a extensão do antebraço. Quando atingem a região do pulso, esses tendões se dividem e passam por dentro de estruturas chamadas de “compartimentos”, que parecem túneis.

Dois tendões principais que estão interligados ao polegar passam por dentro do chamado “primeiro compartimento”. Quando está tudo bem com essa estrutura, o paciente consegue ter uma vida normal e livre de dor. No entanto, algumas situações podem afetar os tendões, causando dor e outros incômodos.

- PUBLICIDADE -

O que acontece é que há uma membrana escorregadia, a sinóvia, que recobre os tendões e permite que eles deslizem dentro dos compartimentos com mais facilidade. Porém, alguns fatores (que você vai conferir a seguir) podem causar o inchaço dos tendões e aumentar o atrito entre as estruturas, causando a inflamação da sinóvia – processo que recebe o nome de “tenossinovite”.

Podemos concluir, então, que a tendinite de De Quervain nada mais é do que a inflamação da membrana que reveste os tendões que passam pelo primeiro compartimento. E caso você esteja se perguntando qual a origem do restante do nome desse distúrbio osteomuscular, nada mais é do que uma homenagem ao cirurgião que descobriu a tenossinovite em 1895, o suíço Fritz de Quervain.

Causas da tenossinovite de De Quervain

Segundo um estudo publicado pela Revista Brasileira de Cirurgia Plástica, a tenossinovite de De Quervain é mais comum em mulheres entre os 30 e 50 anos de idade. Grande parte dos casos registrados desse problema não têm uma causa conhecida, já entre aqueles que possuem uma origem conclusiva, o motivo costuma ser, em sua grande maioria, sempre o mesmo: os DORTs.

Como o próprio nome diz, os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho são causados pelo esforço repetitivo realizado ao longo dos anos em virtude de uma atividade profissional.

Sendo assim, é comum que a tenossinovite de De Quervain seja diagnosticada em pessoas que passam anos realizando os mesmos movimentos com os punhos e também com os dedos, como costureiras, cirurgiões, profissionais que utilizam muito o computador, cabeleireiras, entre outras profissões. 

- PUBLICIDADE -

Justamente por estar ligada à realização das atividades laborais, é normal que a tenossinovite de Quervain seja unilateral, ocorrendo comumente do lado dominante, isso é, no punho direito de pessoas destras ou no punho esquerdo das pessoas canhotas.

DORT x Tenossinovite de De Quervain

Um levantamento divulgado em 2019 pelo Ministério da Saúde aponta os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho e as Lesões por Esforço Repetitivo (LER) como as doenças que mais afastam os profissionais de suas atividades ocupacionais no Brasil.

O estudo Saúde Brasil também apresentou outro importante dado: em 10 anos, os casos de LER e DORT cresceram 184% no país, passando de pouco mais de 3 mil registros em 2007 para mais de 67 mil em 2016.

Embora não traga números exatos, um outro estudo realizado pelo Ministério da Saúde sobre as Dores Relacionados ao Trabalho indica a tenossinovite de De Quervain como um dos problemas mais recorrentes entre os trabalhadores que apresentam algum sintoma no punho.

Apesar dos dados alarmantes, é importante destacar que as atividades laborais nem sempre são as causadoras desse tipo de tendinite. Há também outros fatores que podem desencadear esse problema, como: artrite reumatoide, gota, diabetes, hipotireoidismo, gravidez, pós-parto ou ainda um trauma direto.

- PUBLICIDADE -

Sintomas da tenossinovite de Quervain

A dor é o principal sintoma da tendinite de De Quervain. Embora o problema esteja localizado no punho, é normal que o incômodo irradie para o polegar e também para o antebraço. Além disso, é possível que o paciente sinta dificuldade para segurar objetos e para movimentar essa região inflamada.

Outros sintomas bastante comuns são o enrijecimento e o inchaço do punho, principalmente no período da manhã.

A tenossinovite de De Quervain tem cura?

Depois de toda essa explicação, é muito provável que você esteja se perguntando se a tendinite de De Quervain tem cura, então aqui está a resposta: sim, é possível recuperar os movimentos do punho e eliminar a dor por completo. Porém, para que os sintomas dessa tendinite deixem de ser um problema, é necessário seguir o tratamento rigorosamente.

Tratamento da tenossinovite de De Quervain

Para tratar a tenossinovite de De Quervain corretamente é preciso, antes de mais nada, identificar em qual estágio o problema se encontra. Caso leves e moderados, que não têm grande impacto no dia a dia do paciente, costumam ser tratados com o repouso da região inflamada.

O recomendado é evitar as atividades que desencadeiam o problema, como movimentos repetitivos, sobrecargas sobre o polegar ou ainda posições viciosas. Para facilitar o repouso e, consequentemente, a recuperação, é comum que seja recomendado utilizar uma tala imobilizadora do punho e do polegar.

- PUBLICIDADE -

Outro tratamento complementar é o uso de analgésicos e anti-inflamatórios, que, além de aliviar a dor do paciente, ajuda a desinflamar os tendões. Infiltração de corticoides também podem ser recomendadas, principalmente para os casos mais resistentes.

Porém, se nenhuma alternativa conservadora apresentar resultados e, principalmente, se o problema afetar a realização das atividades diárias do paciente, a intervenção cirúrgica passa a ser avaliada como a melhor alternativa de tratamento.

A cirurgia da tenossinovite de De Quervain é bastante simples e tem o intuito de abrir espaço no compartimento para que o tendão consiga deslizar com mais facilidade e, assim, o paciente volte a ter mais qualidade de vida e menos incômodos.

Referências:
[1] Treatment of de Quervain’s disease – PubMed 
[2] Dor relacionado ao trabalho – Ministério da Saúde do Brasil

Ortopedista - CRM/SP 146.874 | Site | + artigos

Médico formado pela Universidade Federal de Juiz de Fora - MG, inscrito no CRM/SP 146.874. Fez residência médica em Ortopedia e Traumatologia pelo Hospital Ipiranga - SP (RQE 51757), é membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (TEOT 13625). Fellowship em Cirurgia de Ombro e Cotovelo pela Faculdade de Medicina do ABC - SP, também é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Ombro e Cotovelo.


APRENDA MAIS