Fale Saúde » Exames de imagem » Ressonância magnética

Ressonância magnética: para que serve, como é feita e tipos de exame

Revisão clínica: Dr. Fernando Pereira

Revisado:

A ressonância magnética é uma ferramenta importante de diagnóstico e avaliação de doenças. Conhecida por ter uma alta precisão e detalhamento das imagens do corpo humano, o exame traz um resultado claro e objetivo.

Isso ocorre por conta da técnica trazer uma imagem de alta definição dos órgãos internos, graças à utilização de um campo magnético, que agita as moléculas do corpo, que são captadas pelo aparelho e transferidas para um computador.

— PUBLICIDADE —

— PUBLICIDADE —

Como é feita a ressonância magnética

O exame é feito em uma grande máquina e tem uma duração de cerca de 15 a 30 minutos, mas pode se entender por várias horas dependendo do exame. Na maioria das vezes, não é preciso qualquer tipo de preparo, apesar de poder ser necessário o uso de contraste em alguns casos, que é feita através da injeção do medicamento pela veia.

Durante o procedimento, o paciente precisa ficar todo o período parado. No caso de pessoas que não conseguem, como crianças ou portadores de claustrofobia, por exemplo, pode ser necessário receber anestesia. 

A ressonância magnética é uma tecnologia de imagem que usa radiação de radiofrequência não ionizante dentro de um campo magnético forte, a fim de detectar a localização e o ambiente químico local dos prótons. 

Para que serve

Com o exame, é possível diagnosticar vários problemas de saúde, tais como:

  • doenças neurológicas, como Alzheimer, AVC, tumor cerebral ou esclerose múltipla;
  • lesões osteomusculares, como tendinite, lesões nos ligamentos e cistos, por exemplo;
  • alterações nos vasos sanguíneos, como aneurismas ou coágulos;
  • inflamações ou infecções no cérebro, nervos ou articulações;
  • massas ou tumores presentes nos órgãos do corpo.

Tipos de ressonância magnética

Os diferentes tipos do exame dependem da área que precisa ser avaliada pelo médico. O uso ou não de contrastes e sedação, por exemplo, também são levados em conta. No entanto, as principais variações são:

— PUBLICIDADE —

  • Ressonância magnética de articulações

Neste caso, avalia-se as estruturas responsáveis por executar movimentos, como o ombro, joelho ou tornozelo, por exemplo. Serve para avaliar os tecidos moles dentro da articulação, como a bursa, tendões e ligamentos.

— PUBLICIDADE —

  • Ressonância magnética da coluna 

Aqui, o exame ajuda a diagnosticar problemas na coluna e medula espinhal, como tumores, hérnias ou fragmentos de ossos.

É conhecida como a melhor forma de diagnosticar doenças como hérnia de disco, artrose, fraturas, escoliose, doenças inflamatórias e tumores, sendo benignos ou malignos. 

  • Ressonância magnética da pelve, abdômen ou tórax 

O exame é feito para diagnosticar tumores ou massas em órgãos como útero, intestino, ovários, próstata e coração, por exemplo, a fim de diagnosticar doenças como endometriose, mioma uterino, cistos do ovário e etc. 

  • Ressonância magnética da mama 

O exame é capaz de apresentar resultados mais detalhados que a ultrassonografia e mamografia. Sua finalidade é detectar câncer de mama, rastreando, assim, os possíveis riscos, além de avaliar a mamografia, que pode ter apresentado alteração. 

  • Ressonância magnética do crânio 

Neste caso, ela auxilia na avaliação do sistema nervoso central, onde identifica malformações cerebrais, hemorragia interna, trombose cerebral, tumores cerebrais e outras alterações no cérebro ou nos seus vasos.

Contra-indicações

​Para pacientes que possuam implantes eletrônicos, como marca-passo cardíaco, marca-passo cerebral, stent, clip de aneurisma cerebral, placas no corpo ou pinos, por exemplo, o médico radiologista avaliará cada caso individualmente para definir os riscos do exame de ressonância magnética.

— PUBLICIDADE —

De tal forma que, quando estão perto de um scanner de ressonância magnética, surgem riscos potenciais de segurança, como, por exemplo, lesões térmicas e mau funcionamento do dispositivo. 

Além disso, podem prejudicar significativamente a qualidade da imagem e resultar em diagnósticos perdidos ou atrasados.

— PUBLICIDADE —

Desse modo, informe ao médico que pediu o exame da ressonância caso tenha algum dispositivo implantando no corpo.

1. UpToDate. www.uptodate.com. Accessed September 3, 2022. https://www.uptodate.com/contents/patient-evaluation-for-metallic-or-electrical-implants-devices-or-foreign-bodies-before-magnetic-resonance-imaging

1. Kanal E, Barkovich AJ, Bell C, et al. ACR guidance document on MR safe practices: 2013. Journal of Magnetic Resonance Imaging. 2013;37(3):501-530. doi:10.1002/jmri.24011

Isso foi útil?
SimNão

— PUBLICIDADE —

— PUBLICIDADE —

APRENDA MAIS

Quem SomosContatoMissãoPrivacidadeTermos
Siga-nos: PinterestInstagramFacebookTwitter
© 2022 - Fale Saúde

Aviso médico: as informações fornecidas neste site visam melhorar, não substituir, a relação direta entre o paciente e os profissionais de saúde.