Chá de guaco: como fazer e para que serve

Autor(a): Enf.ª Fabiana Rosa

Revisado:

O chá de guaco é feito com as folhas da planta, que é rica em cumarina, uma substância que tem ação analgésica, antipirética, anti-inflamatória, broncodilatadora e expectorante, ajudando no tratamento de doenças respiratórias como bronquite, asma, gripe, tosse e resfriado.

No Brasil, o guaco é nativo da região Sul, mas pode ser cultivado em outras regiões. Além disso, seu cultivo se estende para outros países da América do Sul, além de regiões tropicais na África e na Ásia.

— PUBLICIDADE —

Conforme a região do país, o guaco pode receber outros nomes populares: guaco-liso, guaco-de-cheiro, guaco-cheiroso, guaco-trepador, cipó-almecega, cipó-caatinga, coração-de-jesus e erva-de-cobra.

O guaco também é conhecido pelo seu nome científico: Mikania laevigata e Mikania glomerata.

É bom para que

O chá de guaco é usado como broncodilatador natural, expectorante e supressor da tosse. De fato, o guaco ajuda no tratamento de muitos problemas respiratórios, incluindo:

  • Asma
  • Bronquite
  • Dor de garganta
  • Gripe
  • Resfriados
  • Tosse

Como fazer o chá de guaco

Ingredientes:

  • Uma colher de sopa (3g) de folhas secas;
  • Uma xícara de chá (150ml) de água

Modo de preparo:

  • Coloque a água para ferver;
  • Em seguida, adicione a água quente sobre as folhas de guaco na xícara;
  • Tampe e deixe descansar por 5 a 10 minutos.
  • Em seguida, coar e adoçar se achar necessário.

Para pessoas maiores de 12 anos de idade, tome duas vezes ao dia, logo após o preparo.

— PUBLICIDADE —

Se preferir, o guaco também pode ser usado na forma de xarope, que pode ser encontrado em farmácias, além de poder fazer uma receita de xarope de guaco caseiro.

Quem não deve usar o chá de guaco

O guaco não deve ser usado nas seguintes situações:

  • Alergia reconhecida ao guaco;
  • Gravidez e amamentação;
  • Crianças menores de 1 ano;
  • Tratamento com anticoagulante;
  • Doenças do fígado.

Efeitos colaterais

O chá de guaco tem uma longa história de uso pela população e suas propriedades medicinais são amplamente reconhecidas, com poucos efeitos colaterais.

No entanto, ingerir uma dose acima da recomendada pode provocar vômitos e diarreia. Além de hemorragia com consequências graves.

1. Napimoga MH, Yatsuda R. Scientific evidence for Mikania laevigata and Mikania glomerataas a pharmacological tool. Journal of Pharmacy and Pharmacology. 2010;62(7):809-820. doi:10.1211/jpp.62.07.0001

2. BLANCO, Maria Cláudia Silva Garcia. Guia de Plantas Medicinais e Aromáticas, Campinas, CATI-CDRS, 2021.

23p. 29,7cm (Impresso Especial).

Receba nossa newsletter

Cuide de si com dicas de alimentação, saúde e muito mais!

Sucesso! Seu e-mail foi cadastrado, e agora você já pode receber novidades do Fale Saúde!

Desculpe! Um erro aconteceu.

— PUBLICIDADE —

APRENDA MAIS

Quem SomosContatoMissãoPrivacidadeTermos
Siga-nos: PinterestInstagramFacebookTwitter
© 2022 - Fale Saúde

Aviso médico: as informações fornecidas neste site visam melhorar, não substituir, a relação direta entre o paciente e os profissionais de saúde.