Fale Saúde » Anestesia » Anestesia geral: riscos e como funciona

Anestesia geral: riscos e como funciona

O que é anestesia geral? 

Anestesia geral é um estado reversível no qual são abolidos:

  • a consciência (hipnose);
  • a dor (analgesia);
  • a memória (amnésia);
  • a capacidade de se mexer (imobilidade);
  • a resposta a estimulação cirúrgica (bloqueio autonômico e sensorial).

Esse tipo de anestesia é adequado e seguro para a maioria dos procedimentos cirúrgicos.

indução da anestesia geral com entubação orotraqueal

Onde é aplicada a anestesia geral? 

A anestesia geral é aplicada na veia ou por via inalatória (gás anestésico). A infusão é contínua e dinâmica e o anestesista faz a combinação de várias drogas com o objetivo de obter o efeito desejado. Em uma anestesia geral simples, por exemplo, pode haver mais de 20 tipos de combinações de drogas.

Quem pode aplicar a anestesia?

É recomendado que a anestesia seja aplicada por um médico anestesiologista. Porém, há algumas situações em que o médico não especialista também se sente seguro para administrar a anestesia local ou sedação, somente a anestesia geral que não.

Quando toma anestesia geral tem que entubar? 

Sim, é preciso entubar. Ao receber anestesia geral, o pulmão fica completamente imóvel e não respira. Para contornar isso, o anestesista coloca um tubo de respiração na traqueia do paciente e liga-o a um ventilador mecânico (“pulmão artificial”) para que faça a função do pulmão.

- PUBLICIDADE -

Quais os efeitos da anestesia geral?

Os efeitos da anestesia geral são:

  • Ausência de dor com o corte da lâmina do bisturi;
  • Relaxamento e paralisia da musculatura;
  • Abolição da memória (de forma com que o paciente não tem lembrança do que aconteceu durante a cirurgia).

Quanto tempo dura os efeitos da anestesia geral? 

A anestesia geral dura o tempo que for necessário para que a cirurgia ou o exame sejam feitos. O anestesista consegue calibrar o tempo da anestesia realizando a combinação de diversas drogas.

Quando a cirurgia ou exame acaba, o anestesista realiza ajustes no aparelho de ventilação mecânica, injeta drogas para reverter o efeito dos anestésicos ou aplica outras para um novo resultado. Com isso, ele consegue que o paciente acorde da anestesia geral em aproximadamente 3 minutos.

Quais os riscos da anestesia? 

Os riscos da anestesia são medidos por um sistema de classificação do status físico do paciente, criado pela Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA). É um sistema relativamente simples que se mostrou eficaz na medição do risco geral perioperatório e funciona da seguinte forma: quanto maior a classificação do ASA, maior o risco da anestesia e da cirurgia.

Classificação ASADefiniçãoExemplos
ASA IPaciente normal e saudável.Saudável, não fumante, sem uso de bebida alcoólica ou com consumo mínimo.
ASA IIPaciente com doença leve.Fumante atual, etilista, gravidez, obesidade, diabético e hipertenso bem controlados, doença pulmonar leve.
ASA IIIPaciente com doença grave.Diabético ou hipertenso mal controlados, doença pulmonar obstrutiva crônica, obesidade mórbida, hepatite ativa, dependência ou abuso de álcool, marcapasso implantado, doença renal crônica com diálise, ter sofrido infarto ou acidente vascular cerebral há mais de 3 meses
ASA IVPaciente com doença grave que gera ameaça constante à vida.Ter sofrido infarto ou acidente vascular cerebral com menos de 3 meses, infarto em curso ou disfunção valvar grave, sepse, síndrome do desconforto respiratório agudo.
ASA VPaciente muito grave que não deve sobreviver sem a cirurgia.Aneurisma abdominal ou do tórax rompido, trauma grave, sangramento intracraniano com efeito de massa, intestino sem receber sangue por causa do coração insuficiente (isquemia intestinal) ou disfunção de múltiplos órgãos.
ASA VIUm paciente declarado com morte cerebral cujos órgãos estão sendo removidos para fins de doadores. 

Fontes consultadas:
[1] UpToDate
[2] American Society of Anesthesiologists
[3] The New England Journal of Medicine

- PUBLICIDADE -
Médico - CRM/SP 157.767 | + artigos

Médico formado pela Santa Casa de São Paulo desde 2012, possui mais de 7 anos de experiência. Especialista em anestesiologia pela Santa Casa de S.J. Rio Preto, com Título de Especialista em Anestesiologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) - RQE 65.029.


APRENDA MAIS